08/03/2011

Empoderamento da mulher e o florescer do mundo feminino

Em homenagem a Rosana Oshiro no dia internacional da mulher

Quem trabalha com gestantes tem usado bastante o termo: «empoderamento».  Mas afinal, o que isso quer dizer?
É paradoxal, mas parece que o resgate da atitude da mulher ao gestar, parir e cuidar do bebê, tem exigido a introdução de novas palavras no dicionário.
Maternagem, Atachement, Slingar, Empoderamento, etc, são palavras que vêm aparecendo com frequência para compor o vocabulário das mães modernas. Criadas para expressar o que nós mulheres queremos com o desabrochar natural da vida, ou seja: vivenciar em nossa maternidade a vida de forma consciente, harmônica e prazerosa. Isso, sem depender emocionalmente das escolhas e limitações das pessoas e profissionais que nos cercam.
Empoderamento, em particular, tem sido usado para definir a atitude da mulher frente à gravidez e o parto. A mulher “empoderada” é aquela que tem confiança em seu próprio corpo, acredita na natureza da vida e quer ser protagonista nesse momento singular de seu amadurecimento.
Mas nem tudo são flores. Tem um risco em se empoderar. Isso contamina, e não deixa mais você simplesmente insensível às tuas amigas, parentes ou toda mulher que passe pelo teu caminho sem querer vê-la empoderada também.
Nós, mulheres que nos sentimos poderosas queremos de forma insistente contaminar todas as mulheres possíveis com essa grandiosa vontade. Queremos empoderá-las!!
Empoderar uma mulher é acima de tudo acreditar nela, no que ela acredita ser o melhor para si e para a vida que carrega. Confiar que ela Sabe!!
Para podermos ajudar uma mulher dessa forma não baste ser em seu lugar, a protagonista de suas decisões ou escolhas. Isso vale para qualquer profissional, ou parente que esteja em contato com uma gestante.O ato de se emporedar é justamente sair de uma inércia cultural que faz com que as mães busquem sua sabedoria, no médico, na enfermeira, na família, etc... ou seja fora de si mesma.
Se você é gestante e as pessoas ao seu redor não acreditam na sua força, na sua capacidade, procure separar a insegurança deles do desejo intimo que você tem. Busque grupos e pessoas que lhe ajudem a solidificar sua segurança, confiança e certeza.
A mulher que vive sua gravidez e seu parto com autonomia, assume para si a responsabilidade de sua felicidade, de sua saúde e de sua vida. Ela aceita os acontecimentos e os transforma propiciando seu próprio amadurecimento. Aprendemos a nos comunicar intimamente com nossa profundeza feminina e, dessa forma, nos conectamos a todas as outras mulheres que aí estão e que virão!

Compartilho com você meu “processo de Empoderamento” nos meus três relatos de parto. http://aobabebe.blogspot.com/search/label/parto%20domiciliar
Mais empoderada do que nunca,
Luciana Lima

8 comentários:

Nicole Passos disse...

Lu, adorei o texto e gostaria de compartilha-lo no meu blog!
Parabéns por ser essa mulher empoderadíssima!!!!! Obrigada por ter feito parte do meu processo tb!!!!

grande beijo,

Nicole.

Adelita Gonzalez M. Denipote disse...

Oi Lu, adorei o texto! Muito sabio!! Sou fã do teu trabalho!!! Bjos

Isabella Isolani disse...

lindo texto, lu!! adorei.

Isabella Isolani disse...

lindo texto lu!! adorei.

╰☆╮F®ÅNciєℓyღ εїз* disse...

Poxa Lu a Rô vai gostar de saber, já avisou ela? Vc tbm tava assistindo o parto?
Bjs

Rosana Oshiro disse...

Que texto maravilhoso e verdadeiro!
Lindo!
Obrigada pela homenagem inesperada!
um grande beijo
Rosana

Ana Paula - Journal de Béatrice disse...

Lu adorei o texto e vejo vc "dentro" dele, com valiosa experiência pessoal. Bisous meu, Bê e Juju.

Luciana Lima disse...

Meninas, Obrigada pelas mensagens!
Rosana foi um prazer fazer um texto com a intenção de homenageá-la. Continuamos torcendo e acreditando que ficara tudo bem!!
beijo grande