03/03/2010

Relato de parto domiciliar – Aysso 03/01/2010

Meu filho brasileiro



Dia 03 de janeiro de 2010 nasceu Aysso, aqui em nossa casa, em Curitiba-Pr, Rua General Aristides Athayde Jr, Bigorrilho.
O pré-trabalho de parto iniciou-se às 22 horas do dia anterior, enquanto ajudava os irmãos do Aysso a dormirem. Começou com dores muito intensas e com intervalos irregulares de 30, 40 minutos. Ainda não acreditava que um trabalho ia iniciar-se. Achei que era apenas o cansaço do dia.
Cerca de uma da madrugada, quando meu marido veio deitar-se, achei que um franco trabalho de parto se iniciaria. Esperei mais um pouco até a contração seguinte, então decidi me levantar para preparar os últimos detalhes, preparar o ninho seco com lençóis limpos,  separar as toalhas. Coloquei filme em minha máquina de fotografia manual e fui comer. Tive três contrações em 40 minutos, percebi que o movimento fez com que as contrações se aproximassem, mas como estava muito cansada preferi ir dormir - mesmo que deitada, sentisse as contrações mais intensas.
Achei que ao levantar e começar as atividades rotineiras, o trabalho engrenaria e seria rápido. Esperei  que as crianças acordassem, por volta das 8 horas, pra pedir que minha mãe viesse buscar meus filhos. Em uma hora foram quatro contrações, e comecei a achar que ia demorar. Quando as crianças partiram, terminei de arrumar a casa, fizemos mais um molde de gesso da barriga, e tive vontade de caminhar.
Fomos caminhando até o Parque Barigui, eu e o Mario. Conversávamos sobre tudo e sentia que o caminhar e a respiração ajudava a aliviar as dores. Não estávamos contando os intervalos, mas percebi que as contrações se regularizavam. Tomamos um caldo de cana e comecei a me sentir incomodada por estar fora de casa, pois sabia que uma enorme subida me esperava no caminho de volta.
Eu me sentia disposta, mas tinha impressão que as coisas iam demorar. Cheguei a casa com  fome. Comi um sanduíche, fiz um escalda pés, sentindo muita dor no centro da planta do pé esquerdo. Durante o escalda pés as contrações passaram de um intervalo de 10 para 5 minutos.
Achei que era hora de me concentrar, então eu e o Mario fizemos um singelo ritual para esperar a chegada da nossa surpresa, pois não sabíamos ainda se nosso bebê era menino ou menina. Defumamos a sala com um suave perfume, cantamos nossa fé e acendemos a luz da vela.
Depois do ritual achei que as contrações passaram a ser mais espaçadas. Creio que porque entrei em contato com minha ansiedade e tédio. Então decidi caminhar no quintal de casa. Subi e desci varias vezes a rampa. Tomei um chá e as contrações voltaram ao padrão de 5 em 5 minutos. Fui para o ninho e me entreguei. Cansei das dores e decidi entrar na banheira.
Que maravilha! Que alivio! Consegui relaxar e terminei de me entregar, massageava meu corpo se abrindo. Abria-se meu corpo minha alma e meu espírito, enquanto sentia meu quadril deixar passar meu filho, e meu coração se declarava e se elevava. Estávamos ali eu e o Mario, como queríamos, podendo realmente confiar um no outro e desfrutar intensamente dessa graça.
A transição da fase ativa do trabalho de parto para o expulsivo foi muito rápida. Senti vontade de sair da banheira para fazer xixi, e quando voltei, as contrações eram diferentes. Logo comecei a ter vontade de fazer força. Tentava fazê-lo suavemente, respirando profundamente, pois sabia que se o bebê viesse muito rápido poderia me machucar. Continuei massageando meu períneo e preferi ficar em quatro apoios.
A bolsa rompeu e meu corpo queria colocar o bebê para fora, com muita força. Eu respirava calmamente e ouvia no fundo o incentivo do Mario.
Sentia a cabecinha coroando, pegava em seus cabelinhos, e com grande força senti sair sua cabeça. Queria poder recebê-lo, queria ser seu primeiro toque, então mudei de posição e me coloquei sentada. Na contração seguinte, que demorava a vir, nasceu meu bebê e soube antes de olhá-lo que era nosso menino, presente em nossas vidas já há bastante tempo, com a anunciação do Mario.
Assim, nessa certeza nasceu às 16h45min da tarde, nosso formoso e bem feito amor!  

Luciana Lima

8 comentários:

Journal de Béatrice disse...

Meu Deus do Ceu!!
Que coisa mais linda!! Estou com aquele no na garganta com o relato, que remete à uma tranquilidade impar. Lu admiramos vc! Posso colocar esse relato la no meu blog?? Eu passo pra frente essa seu maravilhoso exemplo!!! Beijossss, saudds!!

ESPAÇO AOBÄ disse...

Oi Ana,
Claro que vc pode colocar no teu blog!
Brigada por acreditar!
Beijo grande
Lu

Isabella Isolani disse...

Que relato lindo!!

Admiro muito vcs (muito mesmo), por acreditarem na natureza da vida e compartilharem com a gente essa experiência linda e única.

Parabéns Lu e Mario.

Beijos. Isa e Ana.

Ariany (Dhanna) disse...

Que relato emocionante! Quanta paz e tranquilidade! Estou simplesmente encantada!
Estou grávida do meu terceiro filho. O meu primeiro parto foi num hospital, com intervenção (normal), o segundo numa casa de parto, na água e agora penso em PD. Percebi, no relato, que só estavam vc e seu marido? Nenhum acompanhamento médico? São dúvidas que rondam minha mente e gostaria de trocar mais informações com vc!

Bençãos plenas para sua família, sem dúvida alguma, abençoada!

Marilia Mercer disse...

Lu, como tudo o que você faz, e sempre me passou muita tranquilidade.
Parabéns!
Não tinha lido o relato ainda, ai que vontade de dá de ter o nosso em casa tbm :).

BjoS!!!

Adelita Gonzalez M. Denipote disse...

Oi Lu, estou entrando no mundo dos "blogs" agora...rsrs...muito lindo teus relatos de parto. Estou montanto um blog...entra lá!!! Bjo grande

Rosana Oshiro disse...

Adorei ler este relato!
Queria postar o link no meu blog de relatos de parto. Posso?
relatosdeparto.blogspot.com

beijo

Anônimo disse...

Oi Luciana, tudo bem? Lindo relato!!!Gostaria de trocar algumas informações com você. Você pode me mandar um email? Procurei o seu email aqui no blog e não localizei.

ursula-faria@hotmail.com

bjs

Ursula